Topo do Everest

Governo quer usar GPS para evitar fraudes no Everest

A primeira coisa que Carlos Soria fez esta semana ao chegar a Katmandu foi visitar Elizabeth Hawley. O alpinista espanhol, de Ávila, que aos 78 anos pretende incluir Dhaulagiri (8.167m) em sua lista de picos acima de 8.000 metros não deixou passar a ocasião de conversar com sua velha amiga, a jornalista norte-americana que hoje é considerada a escrivã do Himalaia. Apesar de não ter jamais colocado o pé em nenhum dos maiores picos do planeta, Hawley, de 93 anos, está há mais de meio século documentando cada subida e certificando se quem afirma ter subido a um desses gigantes diz a verdade ou não evitando as recentes fraudes no Everest.

Soria, que em sua idade não tem interesse em nenhuma proeza, não precisa da aprovação de Hawley. Mas há no mundo do montanhismo, cada vez mais midiático, quem procure o protagonismo e o benefício econômico — ter um patrocinador pode garantir que haja expedição no ano seguinte — e minta sobre em que ponto da montanha parou. A 8.000 metros não há câmeras nem árbitros. Para outorgar o certificado de subida ao Everest, o teto do mundo (8.848m), o Governo do Nepal exige uma fotografia tirada de cima e o testemunho de um guia sherpa. Mas as autoridades já caçaram mais de um mentiroso. O sherpa pode mentir, a fotografia pode ser trabalhada em computador.

Contra o engodo, o Governo do Nepal equipará com GPS alguns montanhistas no início desta temporada, em fim de abril. O sistema de localização servirá para melhorar a segurança no caso de precisarem de um resgate e para evitar possíveis fraudes. É um dispositivo já utilizado por alguns alpinistas, um race tracker, para mostrar publicamente pela Internet em que ponto estão em suas expedições, e que pode ser levado no bolso ou na mochila.

“Alguns fazem de forma voluntária, para que as pessoas o acompanhem e como garantia de transparência se chegaram mesmo ao cume”, explica Juan Vallejo. Juan soma nove picos acima dos 8.000 metros, entre eles o K2 e o Everest, sem oxigênio artificial. “Ultimamente se duvida de todo mundo. A trapaça sobre os picos não é nada novo, existe desde que o alpinismo existe. É uma tentação muito forte. Você está a 100 metros do cume, já não consegue mais… e desce dizendo que subiu. Está sozinho. Ninguém saberá que você mentiu. Quando começou a corrida pelos 8.000 e a valer dinheiro, aumentou muito a farsa. De modo que as montanhas deixaram de ser escaladas para si mesmo, e passaram a ser para o patrocinador”.

Disputa pela cume

Como conta Vallejo, a história do alpinismo é também uma história de mentiras. Nos anos cinquenta, quando os alpinistas eram aventureiros, exploradores do desconhecido sem sequer mapas de papel, foi uma corrida entre países na qual estava em jogo o orgulho nacional. Alemães contra franceses contra italianos contra britânicos… Uma história que deixou grandes mistérios, acusações de traição, mortos que levaram consigo a verdade sobre o que aconteceu lá em cima. A neve, o gelo e a passagem dos anos cobriram essas lembranças. Hoje a corrida é outra. O Everest se tornou o destino de turistas que pagam a agências para ir de mãos dadas até o topo e voltar com uma foto para pendurar na sala de casa e mostrar para as visitas.

“Já não se cuida mais nada, não se dá valor à subida. Tudo a fim de pendurar a medalha”, lamenta Alberto Iñurrategi, o décimo alpinista do mundo a coroar os 14 picos de 8.000. “Para mim, o Everest é para onde levo minha paixão. Mas nesses últimos anos acho que a montanha ficou desacreditada.”

A história diz que em 29 de maio de 1953 o neozelandês Edmund Hillary foi o primeiro a chegar ao topo do Everest. Depois dele veio o sherpa nepalês Tenzing Norgay. Mas talvez Norgay tenha chegado primeiro. Ou talvez alguém que não voltou com vida. Não havia GPS. Só eles sabem a verdade, e morreram há anos. A montanha permanece.

 

Fonte: El Pais

Deixe um comentário