mercator

Mapas e Cartas

Mapas abrangem grandes regiões: o mundo, pa&iacute

Mapas abrangem grandes regiões: o mundo, países, estados e municípios. Ou quaisquer outras grandes regiões. Cartas abrangem áreas menores. A Folha Topográfica é um tipo de carta que abrange áreas relativamente pequenas e é o tipo que serve para o que queremos: caminhadas.

Um mapa ou uma carta, pode ser planimétrica. Um mapa planimétrico bem conhecido são os mapas dos guias rodoviários. Cartas deste tipo mostram o terreno como algo plano.

Um mapa ou uma carta pode ser plani-altimétrica. Neste caso, não só mostram os mesmos detalhes do mapa planimétrico, como, também, mostram as alturas e profundidades através de curvas de nível.

Um bom modo de se ver uma curva de nível é fazer um bolo (de chocolate de preferência), daqueles que são meio cônicos, com um furo no meio…

Tendo o bolo, vá cortando-o em fatias horizontais, todas da mesma espessura. Depois, sem desmontar o bolo, dê uma olhada bem de cima, na vertical. Vê as marcas dos cortes? Pois elas são o equivalente às curvas de nível.

Nos mapas, as curvas de nível são como as marcas das fatias horizontais do terreno. Fatias com 20 ou 50 metros de espessura se a carta estiver nas escalas de 1:50 000 ou

1:100 000, respectivamente. Quanto mais próximas as curvas de nível estiverem umas das outras, mais íngreme o terreno. Quanto mais afastadas as curvas, mais suave e plano é o relevo.

 

Escala

Mapas são como a imagem reduzida do terreno. Mas quão reduzidas? É aí que entra a escala do mapa. Digamos que ele seja na escala de 1:1000. Isto significa que as coisas nele desenhadas são 1000 vezes menores que na realidade. Um risco de 1 cm teria, na realidade, 1000 cm (10 m). Para nós, andarilhos, o bom mapa deveria ter a imagem do terreno reduzida em 25.000 vezes, ou seja um mapa na escala de 1:25 000. Mas, infelizmente, no Brasil cartas nesta escala são raras.

As cartas mais comuns são as elaboradas pelo IBGE e/ou Exército. As que nos são mais úteis estão nas escalas de 1:50 000 ou 1:100 000. Nelas, infelizmente, não dispomos de tantos detalhes quanto normalmente precisamos. Cartas em 1:200 000 ou menos detalhadas não nos servem.

 

 

Grade de Coordenadas

Uma das primeiras coisas que se nota numa carta é que ela é toda coberta por um quadriculado de finas linhas. Chamamos a isto de grade de coordenadas. As linhas que correm no sentido vertical representam os meridianos. As linhas horizontais representam os paralelos.

Nas cartas náuticas, nos mapas terrestres de grande abrangência (mapa-mundi, de países ou estados) nota-se que as linhas verticais (meridianos), ou contrário das horizontais (paralelos), são curvas, encontrando-se nos pólos. Esta é a grade de Coordenadas Geográficas, cujos valores são medidos em graus, minutos e segundos. Existem, também, cartas cuja grade de coordenadas é formada por linhas retas. Esta grade de linhas retas tem o nome de seu inventor: Mercator…

 

Gerardus Mercator, também conhecido como Gerardus Kremer, inventou, em 1569, a mais famosa das projeções usadas em cartografia. A projeção cilíndrica.

Hoje, usamos uma variante da projeção de mercator: a (projeção) Universal Transversa de Mercator ou UTM. Esta difere da original apenas pelo fato do ponto central da projeção estar situado no paralelo mais conveniente aos usuários do mapa em questão. Um detalhe que não nos interessa muito, no momento.

Já nas cartas topográficas, a grade de coordenadas está ligada a um sistema de coordenadas retangulares métricas, ou seja, as distâncias entre as linhas são medidas em metros e não em graus. Isto facilita (e muito!) a medição das distâncias, diretamente na carta.

Nas cartas topográficas em 1:50 000 e 1:100 000, cada quadrícula tem exatamente 4 x 4 centímetros. Na carta de 1:50 000, isto significa intervalos de 2 km, e nas cartas em

1:100 000, 4 km. Nas margens da área desenhada, vemos números como 7872, o que significa que aquela linha está a 7872 km da linha de origem (que está 10.000 km ao sul do equador). Os valores métricos das coordenadas crescem do sul para o norte (de baixo para cima) e do oeste para o leste (da esquerda para a direita). Parece um tanto confuso? Na verdade, isto não lhe vai incomodar muito. Basta lembrar que: numa carta topográfica o norte sempre está no topo da carta, e o leste à margem direita.

 

Declinação Magnética

 

Em todas as cartas impressas pelo IBGE, no canto inferior direito, encontraremos uma figura semelhante a esta. Nesta figura encontramos diversas informações:

1 – a declinação entre o Norte Magnético e o Geográfico (seta vermelha da esquerda) e o ano de referência.

2 – a taxa com que varia tal declinação (caixa vermelha, embaixo).

3 – o nome da folha topográfica.

 

Usando estas informações, podemos calcular a declinação magnética atual. Sabemos que (neste caso) ela cresce 8 minutos anualmente, portando, desde 1977 até hoje (1999) ela já cresceu (1999-1977)x8= 176 minutos, que dividido por 60 dá 2,933º ou seja 2º 56′ (dois graus e cinquenta e seis minutos: quase 3 graus!).

Assim, hoje, a declinação magnética é de 18º41′ + 2º56’=21º37′.

Desta forma, mesmo usando um mapa antigo, podemos ainda atualizar parte das informações que ele contém.

NOTA: A parte dos minutos foi obtida assim:   0,93333° x 60 = 56′ (se quiser em segundos, multiplique por 60 de novo  0,933° x 60 x60= 3358,8").

 

Interpretando as Curvas de Nível

 

FotoMapa.jpg (86346 bytes)

 

Eis aí uma foto da região de Belo Vale-MG (merece o nome, né?)  logo abaixo, um esboço de como seriam as curvas de nível de parte da região. No esboço, as manchas verdes são áreas de vegetação mais densa. As linhas vermelhas são as estradas. Os quadradinhos pretos são casas.

Compare as duas imagens. Note que não se consegue realmente VER o rio. Apenas achamos que ele está ali devido ao que PARECE ser uma mata ciliar (falaremos destas matas depois).

As curvas de nível são equidistantes, isto é, são sempre separadas pela mesma distância vertical (desnível). Nas cartas de 1:100 000 esta equidistância é de 50 metros. Em cada grupo de 5 curvas de nível uma recebe o valor da altitude. Não confunda altitude com altura. A altitude é sempre contada a partir do nível do mar, enquanto a altura pode começar a ser contada de onde você quiser. Note que no esboço acima eu não incluí qualquer altitude, pois as deconheço. Note, também, que não indiquei uma escala, pois não tinha como obter as dimensões a partir da foto acima. O desenho que eu fiz nem mesmo é um croqui, pois não indica qualquer distância.

 

 

 

Deixe um comentário