Engarrafamento no Everest

Nepal estuda exigir experiência prévia para Everest

Funcionários nepaleses planejam proibir inexperientes, bem como pessoas com deficiência, idosos ou muito jovens, em um esforço para melhorar a segurança e diminuir a superlotação

As licenças para escalar a montanha só serão concedidas para aqueles que puderem fornecer “prova de competência”. Nepaleses dizem que vão criar regulamentos que proíbem alpinistas inexperientes de tentar o Monte Everest para melhorar a segurança e recuperar a “glória” do cume.

Kripasur Sherpa, o ministro do turismo do país, disse que espera implementar as regras a tempo para a temporada de primavera, onde normalmente centenas de alpinistas de todo o mundo tentam chegar aos 8.848 metros do topo do pico mais alto do mundo.

As licenças para escalar Everest só será dadas para aqueles que puderem provar que já escalaram montanhas superiores a 6500 metros, disseram as autoridades. As pessoas com deficiência, idosos e muito jovens também podem sofrer com as proibições.

“Nós não podemos deixar todo mundo vir ao Everest  morrer. Se eles não estão fisica e mentalmente aptos seria como um suicídio legal “, disse ele.

“As pessoas com deficiência ou com dificuldades de visão geralmente precisam de alguém para carregá-los, o que não é uma aventura. Só será dada permissão a quem puder ir por conta própria . ”

As autorizações custam milhares de dólares e são uma importante fonte de receita para o Nepal. Não está claro como a “prova de competência” será executada.

O Everest foi conquistado pela primeira vez por Sir Edmund Hillary e Tenzing Norgay, em 1953 e tornou-se controverso nas últimas décadas. Todos os anos cerca de 600 escaladores vêm ao Nepal na esperança de chegar ao cume e a formação desta indústria de vários milhões de dólares está trazendo problemas de superlotação.

Junko Tabei, que se tornou a primeira mulher a conquistar o Everest em 1975, manifestou a sua preocupação na semana passada sobre o número de alpinistas no cume.

“Permitir um grande número de alpinistas em uma temporada apresenta riscos elevados para o ambiente de montanha e aos alpinistas também”, disse Tabei.

Um grupo de alpinistas se aproxima do Escalão Hillary próximo ao cume do Everest. STR/AFP/Getty Images
Um grupo de alpinistas se aproxima do Escalão Hillary próximo ao cume do Everest. STR/AFP/Getty Images

Foram sugeridas diversas medidas para aliviar a superlotação e tornar a montanha mais segura para os guias e seus clientes.

A proibição de pessoas menores de 18 anos, com  mais de 75 ou pessoas com deficiência não afetaria substancialmente os números já que esses alpinistas são muito raros. O primeiro alpinista deficientes subiu o Everest em 1998, um alpinista americano que tinha perdido parte de uma perna em um acidente de trânsito. Em 2001, um alpinista cego alcançou o cume. A montanha também foi escalada por um jovem de 13 anos e um senhor de 80.

Mas nos últimos anos as paredes da montanha viram aspirantes a montanhistas que estão usando o equipamento básico, como uma piqueta de gelo e crampons pela primeira vez.

Totalmente dependente de seus guias pagos para a sua segurança, e incapazes de ajudar quaisquer outros alpinistas que possam estar em apuros, essas pessoas muitas vezes são um estorvo na opinião de montanhistas veteranos.

“Essa regra vai ser introduzida para manter a glória do Everest”, disse Mohan Krishna Sapkota, secretário do Ministério do Turismo.

Ele disse que agora “todo mundo está indo para o Everest”, os níveis de risco para todos os envolvidos tornou-se muito maior. “O topo do Everest deve ser digno e uma questão de glória, por este motivo o ministério está trabalhando na introdução de alguns limites”, disse Sapkota.

Também houve muitas críticas ao atual sistema em que os organizadores de expedições estrangeiras contratam guias locais e pessoal de apoio nepalês, cujo salário é uma pequena fração das taxas ocidentais pagam para chegar ao cume.

Uma série de acidentes graves nos últimos anos levaram a algumas reformas, como melhor remuneração pelo trabalho dos sherpas na montanha, embora ainda há muito a ser feito.

Ang Tshering Sherpa, presidente da Associação de Montanhismo do Nepal, disse que as novas regras haviam sido bem discutidas no passado.

Ele acrescentou: “Então, eu duvido que isso vá ser implementado. Planos anteriores tais como este foram abortados por pressão de organizações de direitos humanos e embaixadas estrangeiras. ”

Ele acredita que a barreira de idade poderia ser positiva.

“Isso pode ser uma boa jogada”, disse Ang Tshering, apontando que a China não permite que escaladores abaixo de 16 anos de idade ou maiores do que 75 escalem o Everest pelo lado norte.

DB Parajuli, presidente da Associação de Expedicionários do Nepal, também apoiou a idéia de criação de algumas regras para manter a “importância do Everest”.

O Nepal, que foi atingido por um grande terremoto em abril, está desesperado para assegurar aos turistas que a nação empobrecida do sul da Asia é segura.

Equipes de guias locais especializados e alpinistas passaram semanas prepararando uma rota no Everest para um único alpinista japonês na esperança de que uma subida bem sucedida enviasse uma mensagem de que o Nepal está “aberto para negócios”, disseram autoridades.

O alpinista, Nobukazu Kuriki, foi forçado a abandonar sua tentativa acima do acampamento final sobre rota colo Sul da montanha. Ele já tinha perdido oito dedos e um polegar em tentativas anteriores de alcançar o cume.

Deixe um comentário