Everest

Primeiro ano desde 1975 sem cumes no Everest

Em 16 de maio de 1975, a japonesa Junko Tabei e o sherpa Ang Tshering realizaram uma ascensão histórica: a primeira mulher na montanha mais alta do mundo. Eles não sabiam, mas aquela data registraria outra marca histórica: a partir dali, por 40 anos consecutivos até 2014, pelo menos uma pessoa iria para o teto do mundo a cada ano. Esta série foi quebrada em 2015, o primeiro ano desde 1974 sem cimeiras no Everest.

Obviamente, as circunstâncias de 1974 eram muito diferentes de hoje. Naquela época, apenas 38 pessoas haviam escalado o Everest pelas três rotas que existiam comparadas a mais de 7.000 pessoas já subiram 19 itinerários diferentes atualmente. O que aconteceu, portanto, que 2015 vai acabar sem cumes no Everest?

Uma combinação de circunstâncias fora do comum.
Como o terremoto que afetou em cheio o Nepal em Abril passado e matou mais de 9.000 pessoas, deixando mais de 23.000 feridos e inúmeros danos materiais. O terremoto provocou um deslizamento de terra que destruiu parte do acampamento base do Everest, causando várias mortes e no final da temporada de primavera para o lado nepalês. Em seguida, as autoridades chinesas deram por encerradas também a temporada pela Face Norte.

Há muito do que ninguém vai ao Everest no verão (o fizeram expedições do coreano Sang-Don Ko em 1977, Reinhold Messner, em 1980 – em solitário-, os catalães Oscar Cadiach, Toni Sors e Carles Vallès em 1985, Erhard Loretan e Jean Troillet em 1986 e os franceses Marco Siffredi em 2002), todas as expedições haviam sido confinadas na temporada pós monções de outono.

Que não tinha havido nenhum cume na primavera, no histórico Everest já era algo que não acontecia desde 1987. Naquele ano, teve-se que esperar até 22 de dezembro para se ver uma ascenção do Everest pelo coreano Young-Ho Heo e Ang Rita Sherpa.

E chegou o outono de 2015. Só um alpinista, Nobukazu Kuriki, planejou tentar o Everest. Nos últimos anos, poucos tentaram o Everest no outono. Em 2013 e 2014, ninguém visitou o teto da mundo na pós monção, e a última subida nesta estação data de 2010.

A verdade é que, além disso, como consequência do terremoto, Nepal registrou muito menos expedições do que outros outonos. Além disso, o fechamento do Tibete pelas autoridades chinesas por motivos políticos eliminou das opções os dois 8000 mais subidosem outono, Cho Oyu e Shisha Pangma, cujas rotas normais partem do lado tibetano.

Nobukazu Kuriki tentou de tudo, e contou com a contribuição dos Doutores da Cascata para abrir a rota através do Khumbu Icefall. No entanto, depois de duas tentativas de cume, o japones teve que desistir.

Difícil 2015 para 8000

O histórico zero nos registros de cumes no Everest este ano não foi isolado. Os terremotos da Primavera, o fechamento do Tibete pelas autoridades chinesas no outono e a baixa afluência de expedições pós-monções para o Nepal, juntamente com as más condições (muito quente, neve e queda de rochas) deixaram em branco a maioria deles. Ao todo, nove dos 14 8000 não foram ascendidos em 2015 (falta saber o resultado da tentativa coreana de outono no Lhotse).

Ninguém tem ido para nenhuma das sete montanhas mais altas do mundo (Everest, K2, Kangchenjunga, Lhotse, Makalu, Cho Oyu e Dhaulagiri) além do Nanga Parbat e Shisha Pangma. Os números globais falam de um total de 110 cumes este ano, e cerca de 80 deles foram feitos no Manaslu neste outono graças à colaboração entre várias expedições comerciais.

As restantes são ascenções admiráveis feitas no Karakoram neste verão: de um lado o G1 com Ferran Latorre, Yannick Graziani e Tom Seidensticker; e, por outro, as solitárias no Broad Peak de Mariano Galvan e Andrzej Bargiel.

 

Fonte: Desnível

Deixe um comentário