Eleição faz governantes ‘afrouxarem’ fiscalização na Amazônia, diz Minc

Segundo ministro, com isso número de queimadas está aumentando. 
‘Ninguém quer multar e interditar ninguém em véspera de eleição’, disse.

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou nesta sexta-feira (19) que a proximidade das eleições está fazendo com que governadores e prefeitos “afrouxem” a fiscalização na Amazônia, o que estaria aumentando as queimadas na região. 

“Tenho estado toda semana na Amazônia e visto muitas queimadas. Na véspera das eleições, muitos governadores, muitos prefeitos, afrouxam completamente a fiscalização. Ninguém quer multar e interditar ninguém na véspera de uma eleição. Então, o que acontece? Está recrudescendo as queimadas”, afirmou o ministro, durante o lançamento do “Contador de Árvores da Mata Atlântica”, no Rio. 

Segundo o ministro, já estão sendo tomadas medidas em relação ao problema, que inclui a advertência de que o ministério vai divulgar aqueles que não estiverem colaborando com a fiscalização federal na Amazônia. 

“A gente vai num lugar, prende, interdita, tira o gado, daqui a duas semanas volta lá e estão queimando outra vez. Infelizmente, tem mais gente destruindo do que defendendo. É uma triste realidade”, afirmou.

 Minc também divulgou nesta sexta-feira no Rio a lista de espécies de flora ameaçadas de extinção. Segundo o ministro, de 1992 a 2008 o número de espécies ameaçadas passou de 108 para 472. 

“Não basta publicar uma lista de espécies ameaçadas, tem que tirar conseqüências disso. Tem que proibir o corte, o transporte e o comércio das espécies ameaçadas de extinção. A outra linha é replantar as espécies nativas ameaçadas”, afirmou.

 

Meta de 20 milhões de árvores plantadas

Dessas espécies, mais da metade são da Mata Atlântica, segundo Minc. Foi para estimular o plantio dessas árvores nativas que foi instalado no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, um “contador” de mudas, que já registra 2.469.202 árvores plantadas. O objetivo é que a população acompanhe a meta, estabelecida pela secretaria estadual de Meio Ambiente, de 20 milhões de árvores plantadas até 2010. 

“É uma forma que a população vai ter de controlar essa meta que estabelecemos para o Rio. Estamos com esse contador simbolizando a luta de reverter a degradação da Mata Atlântica”, disse a secretária estadual de Meio Ambiente, Marilene Ramos. 

O projeto conta com parcerias de prefeituras, escolas e empresas. O “contador de árvores” foi elaborado pelo designer Roberto Lacerda, com execução do biólogo Bruno Resende. A escultura com plantas da Mata Atlântica tem um sistema de irrigação especial e exibe, no centro, um contador. 

“O papel do contador é estimular as pessoas a plantarem milhões de árvores nativas da Mata Atlântica”, disse Minc, afirmando ainda que um dos desafios do próximo prefeito do Rio será não só coibir o crime ambiental, como levar os criminosos ambientais para a prisão. “E, de preferência, que o criminoso fique metade do tempo plantando árvore, que pague a pena plantando árvore em vez de tirar férias forçadas às nossas custas”. 

Deixe um comentário