O Calor

Antes de mais nada vamos nos entender: a temperatura é apenas o “sintoma” do calor, e não o calor em si. Quanto mais massa um corpo tiver, mais c

Antes de mais nada vamos nos entender: a temperatura é apenas o “sintoma” do calor, e não o calor em si. Quanto mais massa um corpo tiver, mais calor ele poderá conter. Assim, um corpo grande poderá conter mais energia calorífica e estar a uma temperatura mais baixa que um corpo menor.

Vejamos como o calor se comporta.

O calor tende a transferir-se de um corpo mais aquecido para um menos aquecido até ambos tenham a mesma concentração de calor (temperatura). O calor se transfere por condução (dois corpos fisicamente em contato direto), por convecção (numa panela ao fogo, a água quente sobe enquanto a fria desce (o mesmo acontece com o ar) ou por irradiação (o calor que vem de uma fogueira).

A nossa pele é o órgão que nos diz como nosso corpo está em termos de calor. O que a pele nos indica não é temperatura, mas a direção e o fluxo do calor. Em outras palavras: se sentimos frio, o que nossa pele está nos dizendo é que há calor saindo (direção) e quanto (fluxo). Quanto maior o fluxo de calor de dentro para fora, maior a sensação de frio. Quanto maior o fluxo de calor de fora para dentro, maior a sensação de quentura.

O nosso corpo é uma máquina que precisa conter uma certa quantidade de calor para funcionar bem. Nem mais, nem menos.

Calor em excesso faz nosso cérebro comportar-se erraticamente ou desligar o sistema numa reação de auto-proteção. Excesso de calor podem levar à Intermação ou à Insolação.

Calor de menos ( o que chamamos frio) faz com que nosso cérebro tenda a parar de funcionar. Calor de menos pode nos levar à Hipotermia.

Em ambos os casos, o resultado extremo é a morte, pura e simples.

Cenário 1

Imagine que está vadeando um ribeirão. É dia e o ar está a 25°C, um dia gostoso. Mas, a água está fria, a 17°C. Pois bem, saiba que você está perdendo calor 25 vezes mais rápido do que se estivesse no seco e o ar a 17°C!

Cenário 2

Dia. A chuva cai forte e com vento. Logo você estará tiritando de frio. Isto é uma forma leve de hipotermia! Vista uma capa de chuva. Você continuará molhado, mas logo deixará de tiritar. Era a combinação vento + água que roubava o calor!

Havendo vento, quem estiver com a roupa úmida de suor perderá mais calor do que quem estiver com a roupa seca.

Explicação: o vento tende a evaporar a água (ou umidade). Mas a água precisa de energia para expandir suas moléculas e transformar-se em vapor. A forma de energia disponível no momento é o calor… O calor do seu corpo! Assim, roubando esta energia de você, a água consegue evaporar-se.

Cenário 3

Acampamento, comecinho da noite, sem brisa. Quem dormir diretamente em contato com uma laje de pedra (ou com o chão) perderá mais calor.

Explicação: o calor tende e transferir-se do corpo mais quente para o mais frio até que a quantidade de calor dos dois corpos se iguale. Quantidade de calor/volume. Mas, o problema é que a Terra (o chão, a pedra) tem um volume muito maior que o do nosso corpo. Assim, ela continuará roubando nosso calor corporal indefinidamente.

Radiadores

O mecanismo que o nosso corpo tem para combater o excesso de calor é a circulação periférica. Um conjunto de veiazinhas que estão logo abaixo da epiderme. Esta rede de vasos fuciona exatamente como o radiador de um carro. O sangue percorre o corpo absorvendo o calor excessivo e a rede periférica o expele para o ambiente externo. Como? Por irradiação (aquele calorzinho, gostoso, que vem da pessoa que usualmente lhe faz companhia na cama…) ou passando este calor para o suor, que o leva, ao se evaporar. Esta mesma rede de circulação periférica poderia funcionar de forma inversa: trazendo o calor da pele para o interior do corpo. Mas, geralmente isto não acontece porque, quando a pele sente que está entrando calor demais, a rede periférica é praticamente fechada. Assim, deixamos de perder calor, mas ao menos, não entra mais nenhum…

Uma parte do nosso corpo que tem uma densa rede periférica é nossa cabeça. Ali está o órgão mais nobre, o cérebro. E ele tem que ser o mais bem protegido. Daí esta densa rede de vasos superficiais. Daí o fato de perdemos mais calor pela cabeça exposta aos ventos dos que por qualquer outra parte do corpo de superfície equivalente.

Mantenha sempre sua cabeça coberta. Por um chapéu, quando calor, ou por um gorro (ou passa-montanha) quando frio.

Deixe um comentário