Projeto para proteger áreas verdes no entorno de favelas é aprovado com modificações

Após uma reunião com representantes de associações de moradores das favelas, o governador Sérgio Ca

Após uma reunião com representantes de associações de moradores das favelas, o governador Sérgio Cabral (PMDB) decidiu fazer adaptações ao projeto para colocar muros em 11 favelas da cidade do Rio. Em algumas áreas, a delimitação será feita com muretas baixas –de 60 a 90 centímetros– ou trilhas. O canteiro de obras na Rocinha (zona sul) já começou a ser preparado.

De acordo com o diretor de obras da Emop (empresa de obras públicas do governo), José Carlos Pinto, a ideia não é cercar as favelas e sim delimitar a área.

"Onde houver contato com a mata, será feito um muro mais alto, assim como em regiões de risco, como nos barrancos. A extensão dos muros não muda. O projeto não cerca a comunidade, ele simplesmente limita. Nenhum acesso está sendo fechado. Os muros só serão feitos nas áreas necessárias que a comunidade se limita com a mata e com áreas de risco. É um muro ambiental", disse o diretor.

Cabral garantiu aos líderes comunitários que os projetos de áreas de lazer e saúde para as favelas não mudam.

O presidente da associação de moradores da Rocinha, Antonio Ferreira, conhecido como Xaolin, que anteriormente era contra construção do muro, mudou de ideia e saiu da reunião a a favor do plano do governo.

"Vou elaborar um projeto para integrar os moradores como guardas florestais comunitários, para fiscalizar que o ecolimite [muro] está sendo respeitado. A partir de agora foi feito um acordo de adaptação do projeto que já havia sido elaborado", disse Xaolin

O presidente do movimento popular de favelas, Willian de Oliveira, afirmou ser a favor dos muros desde o início do projeto. Ele disse acreditar que a construção vai ajudar a levar melhorias para as comunidades. "A verba vai complementar várias coisas, na construção de praças e áreas de lazer. Pessoas veem o muro como discriminação, mas não é. Eu apoio", disse Oliveira após a reunião.

Os muros, que vão totalizar 11 km, cercarão 11 favelas do Rio, sob pretexto de impedir o avanço das construções sob a mata virgem. O projeto está sendo implantado inicialmente no morro Dona Marta, ocupado pela Polícia Militar desde novembro do ano passado. A previsão é de começar em 2010 a cercar favelas dos complexos de Lins, Penha e da Tijuca.

Deixe um comentário