Arquivo da tag: alta montanha

Filmes selecionados para a 12ª Mostra de Filmes de Montanha

12a Mostra Internacional de Filmes de MontanhaOnze filmes nacionais provenientes de cinco estados brasileiros serão exibidos na 12ª Mostra Internacional de Filmes de Montanha, que acontece de 25 a 27 de outubrosessões 19h e 21h, no Cinema Odeon, no Rio de Janeiro.

FILMES SELECIONADAS PARA A MOSTRA COMPETITIVA 2012

1. Brasil Everest 20 anos, de Gert Seewald (SP) – Alta Montanha

2. Brasil Ride, de Gustavo Abah (MG) – Mountain Bike

3. Espírito de Liberdade, de Jader Lago (SP) – Vários Esportes

4. Everest, de Alexandre Haigaz (SP) – Alta Montanha

 

Continue lendo Filmes selecionados para a 12ª Mostra de Filmes de Montanha

Programação do Festival de Filmes de Montanha 2010

PROGRAMAÇÃO GERAL

DIA 21/10- QUINTA

ESTREIA
Atividades
18h – Abertura da Exposição fotográfica “Caminho Teixeira em Cena”, de Silvia Batalha e Luiz Paulo Leão
19h – Sessão de estreia
20h30 – Lançamemto do “Guia da da Ilha Grande”, de Fernanda Lupo e Marcio Bortolusso

Continue lendo Programação do Festival de Filmes de Montanha 2010

Divulgados os filmes selecionados para a 10ª Mostra Internacional de Filmes de Montanha

Nanga Parbat Programada para 21 a 27 de outubro (sujeita a alterações a data final), além da Mostra Competitiva, haverá 2 sessões da Mostra Banff e a 2 sessões da Mostra Alemã com o longa convidado Nanga Parbat (http://www.nangaparbat.senator.de/) Continue lendo Divulgados os filmes selecionados para a 10ª Mostra Internacional de Filmes de Montanha

Arthur Estevez na equipe Deuter!

Site da Deuter

Uma boa notícia para o montanhismo brasileiro: o atleta patrocinado pelo grupo brasileiro da marca alemã  Deuter, Arthur Estevez acaba de ter seu currículo aprovado pela Deuter Internacional. Com isso ele figura na equipe internacional Deuter, ao lado de pesos pesados como a alpinista Gerlinde Kaltenbrunner.

Para a Proativa, empresa responsável pela Deuter no Brasil, esse reconhecimento é fruto de muito trabalho, como explica Pedro Lacaz Amaral, diretor de marketing da empresa: “Desde 2001 patrocinamos e/ou apoiamos inúmeros  escaladores e montanhistas brasileiros, sendo o montanhismo meu esporte e a escalada esporte do meu sócio, sempre fomos simpáticos a projetos relacionados a esses esportes. Hoje nossa equipe é pequena, porém bem apoiada e estruturada… O Arthur foi uma aposta nossa, um atleta novo, completo e com uma grande estrada pela frente… parabéns Arthur!”

Continue lendo Arthur Estevez na equipe Deuter!

Polêmica na primeira conquista feminina dos 14 8.000

Miss Oh

Miss Oh acaba de se tornar a primeira mulher a entrar na seleta lista de alpinistas que escalaram os catorze picos com mais de 8.000 metros da Terra. Os catorze oito mil da coreana Oh Eun-Sun, no entanto, continuam a ser questionados, por causa da controvérsia que rodeou a sua ascensão ao Kangchenjunga nesta primavera.

Continue lendo Polêmica na primeira conquista feminina dos 14 8.000

FAQ – Esportes Radicais

  • O que é esporte radical? É um termo originado da expressão inglesa xtreme sports. Trata de forma genérica dos esportes de ação, ao ar livre ou de aventura. Esportes de ação ou de aventura podem ser considerados como aqueles que oferecem mais riscos do que os esportes em geral, tornando-os assim mais emocionantes aos praticantes ou os que exigem um maior esforço físico ou maior controle emocional. Normalmente os praticantes não gostam de usar esta denominação.
  • Por quê é considerado esporte radical? Porque estão envolvidos em situações extremas de limite físico ou psicológico dos participantes.
  • Quais são as esportes mais conhecidos? Escalada, rafting, trekking, paraquedismo, snow board, voo livre, base Jump,  etc.
  • Tem alguma pessoa em especial que tenha iniciado essa modalidade de esporte? Cada atividade tem uma estória específica, alguns, como a escalada, existem, há muito tempo, tendo sua origem, de um modo geral, desconhecida. Marcam o início do montanhismo, a conquista do Mont Blanc, e no Brasil, a conquista do Dedo de Deus. No caso do trekking, a palavra trek tem sua origem na língua africâner, da África do Sul. Passou a ser amplamente empregada no início do século XIX, pelos vortrekkers, primeiros trabalhadores holandeses que colonizaram a África do Sul. O verbo trekken significava migrar e carregava uma conotação de sofrimento e resistência física, numa época em que a única forma de se locomover de um ponto a outro era caminhando. Quando os britânicos invadiram a região e estabeleceram seu domínio político na África, a palavra foi absorvida pela língua inglesa e passou a designar as longas e difíceis caminhadas realizadas pelos exploradores em direção ao interior do continente, especialmente na busca de novos conhecimentos, como a nascente do rio Nilo e as neves do monte Kilimanjaro.
  • Qual o motivo das pessoas abandonarem o conforto das grandes cidades para praticar esportes radicais? Provavelmente a procura por aventura e a fuga da monotonia do dia a dia de uma cidade grande seja o principal motivo. O esporte em geral é um grande escape para o stress urbano, geralmente originado por excesso de trabalho, má alimentação, violência, trânsito, etc. O contato com a natureza, também é um principal motivo para se praticar estas atividades.
  • Quais as pessoas mais indicadas para praticar esses esportes? Como qualquer atividade física, é necessário somente que se comece aos poucos, respeitando-se os limites de cada um. Observando estas recomendações, qualquer pessoa pode praticar.
  • Há alguma idade especifica para prática? Não.
  • Aonde é mais praticado? Um dos esportes que mais vêm crescendo em todo o mundo é o trekking, por não precisar de equipamentos especiais e poder ser praticado em praticamente qualquer parte. Normalmente é feito em trilhas por florestas e montanhas, mas também é feito em praias ou glaciares.
  • O que é necessario para praticar esse tipo de esporte? Alguns esportes como a escalada ou o mergulho exigem uma certa quantidade de equipamento algumas vezes bem caros, além de, claro, o conhecimento das técnicas usadas. É recomendável aos iniciantes que acompanhem sempre alguém mais experiente ou façam cursos antes de se aventurarem sozinhos.
  • Alguma restrição fisica? Se você é cego, evite a caça submarina, quem sabe talvez o trekking ou rafting.
  • Psicologica? O medo é a principal barreira psicológica encontrada, as pessoas têm fobias de todos os tipos, como medo de altura, de lugares fechados, etc.
  • É necessário algum curso? Em alguns casos é essencial. São exemplos o paraquedismo, o mergulho autônomo, o voo-livre e etc. Além disso a experiência também é muito importante.
  • Aonde encontramos esses cursos?
    Cursos de escalada www.femerj.org.br
    Links diversos www.trilhaecia.com.br/links

  • Em media, qual o custo desses cursos? Varia-se muito. Paraquedismo, escalada pode ser encontrado em torno de 400 reais.
  • Quais os riscos? Deve-se sempre pensar muito na segurança, mas os riscos variam desde uma escoriação, devido a um escorregão numa trilha, ou morte por quedas em paraquedismo, alpinismo, escalada. Entre os esportes mais perigosos estão o Base Jump, onde o praticante se atira de um prédio, montanha ou ponte com um pára-quedas e somente alguns segundos para abri-lo e o mergulho em cavernas onde se mergulha em labirintos submersos sem iluminação natural, usando um cabo guia que vai sendo desenrolado para o mergulhador não se perder – o que seria morte certa depois de algumas horas, com o término do oxigênio.
  • Quais os cuidados necessários para a prática? Em primeiro lugar com o meio ambiente e o impacto que sua atividade irá causar e em segundo com a segurança dos praticantes. Recolha todo o lixo e evite destruir ou sujar de qualquer forma a natureza ao seu redor!
  • É necessário algum curso de primeiros socorros? É sempre bom ter conhecimentos de primeiros socorros. Em alguns esportes como o vôo-livre, estas noções são passadas junto com o curso de vôo.
  • O que fazer se ocorrer um acidente? O ideal é tentar chamar ajuda ou resgate, dependendo da gravidade. Um telefone celular neste caso será muito importante. Somente em último caso tente transportar uma pessoa que sofreu uma queda grave. No caso de picadas de cobras ou escorpiões, o importante é tentar remover a pessoa imediatamente para um hospital ou posto de saúde, levando, se possível, o animal que atacou.
  • No começo, houve algum motivo para te impedir de praticar esses esportes? Para mim a única restrição é o dinheiro para comprar alguns equipamentos ou financiar certas viagens.
  • Quais são os equipamentos necessários? Existe uma infinidade de equipamentos. Para escalada, ou canioning usa-se basicamente os mesmos, que são:
    • Bauldrier, cinto-cadeira ou cadeirinha, que é um cinto preso em torno da cintura e pernas.
    • Corda, que dependendo da atividade, terá características próprias, como espessura, comprimento e elasticidade.
    • Mosquetões, que são argolas com fechos, de uma liga de alumínio muito leve, mas que aguentam grande quantidade de peso, utilizados para unir cordas, fitas e o bauldrier.
  • Aonde podemos comprá-los? Existem lojas especializadas que em geral vendem equipamento para vários esportes ao ar livre.
  • Quais os custos em média dos equipamentos? A escalada é sem dúvida um dos mais caros e que tem a maior quantidade de equipamento, aqui vai a média do equipamento básico.
    • Baudrier R$ 200,00
    • Corda dinâmica de 10,5 mm c/ 60m R$ 600,00
    • Mosquetão R$ 50,00
    • Sapatilha R$ 200,00
      Em algumas modalidades de escalada, como o alpinismo, que é a escalada no gelo em altas montanhas ou a Big Wall, que é a escalada de paredões imensos que duram vários dias, pode-se levar a quantidade de equipamento equivalente ao de uma pequena loja.
  • Quais os cuidados necessários para preservá-los? Cada material tem seus cuidados específicos, como exemplo, a corda de escalada não deve ser deixada ao sol ou em contato com areia, terra desnecessariamente, para que sua vida útil seja maior, todo equipamento que entre em contato com água salgada deve ser lavado com água doce após o uso, etc.
  • Esses esportes são muito procurados no Brasil? Devido às suas formações naturais e grande beleza, o Brasil é um país onde se pratica diversas atividades ao ar livre e tem no estado do Rio de Janeiro diversas montanhas e um grande centro de escalada urbano visitado por pessoas de todos os países. Em Brotas, SP, o rafting, ou descida de corredeiras em bote, é muito praticado devido as características dos rios da região.
  • Esse tipo de esporte é bem desenvolvido no Brasil? Na maior parte essas atividades são praticadas de forma indepentente e aos poucos vêm aparecendo mais federeções e competições de rafting, canoagem, corridas de aventura – uma espécie de triatlon envolvendo diversas modalidades de esportes de aventura.
  • Hoje em dia eles são mais praticados como lazer ou profissão? O lazer ainda é o motivo principal.
  • Esses esportes são bem remunerados? Talvez para poucos, patrocinados por marcas de equipamentos ou roupas de esporte, que têm o esporte como profissão. Principalmente no exterior.
  • O clima influencia na prática? Sim, cada região, tem suas características e o clima é fundamental nos esportes ao ar livre, sendo a mudança climática, grande causa de acidentes.
  • De que forma as variações climáticas influem no esporte? As más condições metereológicas são muitas vezes a causa de graves acidentes, por isso é importante saber reconhecer os sinais que ela te dá. Muitas expedições a grandes montanhas nos Andes, Alpes e Himalaia, sucumbem a avalanches ou nevascas, no Brasil, a incidência de raios é enorme, por isso a temporada de montanhismo começa em maio e acaba antes do verão, evitando assim as grandes tempestades elétricas, trombas d’água e enchentes.

 

O Rapel no Gelo

As atividades do mundo vertical têm de uma forma geral, uma característica comum: é frequente ter que se descer rapelando. Contudo o delicado mundo do gelo requer técnicas específicas em cada uma das suas variantes e em especial cuidado na hora de confiar o nosso peso e a nossa segurança na capacidade de resistência das suas estruturas, por vezes frágeis. As atividades que compreendem o mundo do montanhismo são numerosas e variadas : escalada numa zona de escola, escalada esportiva em parede, escalada clássica em parede, escalada em grandes paredes (Big Wall), escalada em cascatas de gelo, dry-tooling, escalada de corredores e canais de gelo e neve, escalada alpina, escalada mista, escalada em arestas, expedições em altitude, esqui de montanha, canyoning, etc. etc. Como se pode verificar tratam-se de atividades com identidade própria, algumas delas partilham das mesmas características e técnicas, no entanto existem outras que diferem como da noite para o dia. Não obstante, atrevo-me a dizer que todas elas apresentam um denominador comum: o rapel. Se bem que a técnica no momento de rapelar não varia muito de uma atividade para outra (salvo em determinadas situações, por exemplo descendo uma cascata de água empregamos manobras de corda um tanto especiais), a instalação do rapel sim, é diferente, depende do terreno de jogo. Não é o mesmo montar um rapel numa reunião com grampos previamente colocados, que num “cogumelo de gelo”  feito no final de uma cascata. Qualquer um necessita de atenção e cuidado, no entanto algumas instalações de rapel precisam de conhecimentos muito particulares.

Que fatores condicionam a montagem das diferentes instalações de rapel?

Vejamos algumas delas resumidamente:

1.         TERRENO EM JOGO – Será diferente o material utilizado na montagem de um rapel em diferentes terrenos de jogo, quer seja em rocha granítica, conglomerado, neve ou gelo. O tipo de rocha e as condições do terreno influenciam e de que maneira o momento de escolher a nossa instalação de rapel. Em rocha dispomos de um amplo leque de possibilidades e quanto ao material a utilizar na instalação depende da morfologia do tipo de rocha. Parabolts, spits, químicos e buris podem figurar na montagem de um rapel em rocha lisa carente de fissuras. Nuts, friends, excentrics, etc. poderão ser empregues se dispusermos de fissuras (fendas, buracos, etc.). Assim como, serão de grande utilidade blocos de rocha, árvores, arbustos e pontes de rocha para utilizar cintas ou cordin. Em gelo utilizaremos parafusos de gelo, pontes de gelo e “cogumelos” de gelo para tal fim. Em neve e sempre dependendo do seu estado, poderemos utilizar estacas e “cogumelos” de neve, piolets e pás de neve ou mesmo os esquis de modo a servir de ancoragem.

2.         MATERIAL DISPONÍVEL – Não há dúvida que consoante o material que tivermos disponível é que iremos executar a nossa reunião de rapel. Se o material a abandonar não é suficiente, deveremos de improvisar outros sistemas de ancoragem ou instalações de rapel. O importante é conhecer o material de que dispomos, assim como o número de possíveis “rapéis” que nos faltam para acabar a via. As ancoragens naturais resultam ser instalações de rapel muito eficazes e a utilização de material é mínima. Em certas ocasiões poderemos combinar ancoragens naturais com ancoragens fixas e com material abandonado, tudo depende das necessidades do momento.

3.   CONHECIMENTOS TÉCNICOS DOS MEMBROS DA CORDADA – Quanto maior a experiência e conhecimentos técnicos dos membros da cordada, maiores serão as opções na hora de montar a reunião de rapel. A experiência será uma mais valia na hora de improvisar a reunião. Por outro lado tais conhecimentos ajudar-nos-ão na hora de economizar material, identificar possíveis fixações e ganhar tempo ao tempo com segurança.

CONCEITOS GERAIS

Como bases gerais durante a montagem do rapel, poderemos considerar as seguintes:

Dispor sempre de uma montagem composta por, pelo menos, dois pontos de segurança (com a excepção se, as fixações forem grandes blocos de rocha, árvores ou robustas colunas de gelo).

Tais fixações têm de ser fiáveis e perfeitamente fixos no terreno. Se houver dúvida em que a fixação aguente ou não, é preferível removê-la a colocá-la.

As fixações deverão estar triânguladas, utilizando para isso uma cinta ou um anel de corda de diâmetro nunca inferior a 7 mm.

NOTA – Hoje em dia os fabricantes oferecem cordins, cintas e cordas de reduzido diâmetro, mas de grande resistência. É importante conhecer previamente a resistência, o estado e a utilização do material.

1.    Em fixações naturais (árvores, pontes de rocha, blocos de rocha, colunas de gelo, pontes de gelo, etc.) ou “cogumelos” de gelo, é preciso observar e corrigir se necessário, possíveis pontos de roçamento, que possam afetar a resistência e segurança da corda e cintas auxiliares.

2.     Deveremos instalar a reunião tendo em conta a recuperação da corda, reduzindo ao mínimo o seu roçamento com a pedra, neve ou vegetação. Assim como evitaremos que a sua recuperação possa originar queda de pedras ou gelo. Se necessário aumentaremos o comprimento da reunião a distância necessária de modo a evitar tais situações.

3.      Utilizaremos o tempo necessário para instalar uma reunião segura e eficaz, é importante acostumarmo-nos a não perder muito tempo na sua montagem, sobretudo se ainda nos faltam muitos metros até chegar ao solo.

Uma vez introduzidos no mundo do rapel, o seguinte passo será analisar as diferentes opções de que dispomos no momento de instalar as fixações correspondentes. Como vimos anteriormente, tal processo dependerá de vários factores. Se bem que existem diferenças entre as fixações de um rapel instalado em vários tipos de rocha, a técnica a utilizar será similar, ao contrário das técnicas a utilizar em neve gelo. As condições de neve e gelo variam e muito, mesmo dentro de uma mesma zona, motivo este que nos obrigará a prestar uma maior atenção no momento de colocar o sistema de reunião mais adequado. Na alínea seguinte analisaremos os sistemas de montagem num destes ambientes tão peculiares: o gelo.

INSTALAÇÃO DO RAPEL EM ROCHA –  Será sempre a melhor opção. É de recordar que de uma forma geral as fixações instaladas em rocha serão mais resistentes que as instaladas em neve ou gelo. Nem sempre será possível, mas se tivermos oportunidade, não exitaremos em fazê-lo. Para isso poderemos abandonar qualquer peça de segurança. É claro que será muito mais doloroso para o bolso abandonar um par de friends, que uma cinta ao redor de um bloco de rocha, dependerá sempre de cada situação. Parabolts, cintas ou cordim em blocos ou em pontes de rocha, são alguns elementos que poderemos habitualmente abandonar na montagem de uma reunião de rapel. Se por acaso as reuniões já estiverem montadas, simplesmente comprovaremos o estado das fixações. Possivelmente e se tivermos sorte não será necessário abandonar material algum. Como regra geral deveremos utilizar sempre dois pontos de fixação, triângulados entre si para uma maior estabilidade e resistência. Se utilizarmos blocos ou pontes de rocha deveremos comprovar se sua resistência é adequada para o efeito.

INSTALAÇÃO DO RAPEL EM ÁRVORES – Em numerosas ocasiões as cascatas de gelo encontram-se rodeadas de árvores, neste caso podemos fazer uso delas e utilizá-las sempre que seja possível, para montar o nosso rapel . Teremos de ter em conta que as linhas de rapel sejam diretas e seguras e ao mesmo tempo que não existam problemas de roçamentos na hora de recuperar a corda. Para isso será importante abandonar uma cinta ou corda a fim de prever uma boa recuperação. Não será demais dizer que antes de utilizar qualquer árvore, será necessário comprovar a sua resistência.

INSTALAÇÃO DO RAPEL EM GELO – Este será sim, o objectivo final deste artigo. Em regra geral, a base de qualquer tipo de instalação estará condicionada por um denominador comum: o gelo, no qual a sua condição e qualidade nos ajudarão a escolher o melhor sistema de segurança.

NOTA – Deveremos de recordar que em gelo a resistência das fixações estará influenciada pela sua qualidade. De nada nos vale instalar um parafuso de gelo homologado para aguentar uma carga de 2000 Kg, se o enroscamos em gelo podre que não aguentaria sequer o nosso peso. De igual forma uma cinta plana pode estar perfeitamente homologada para suportar uma carga de 3000 Kg, mas se a colocarmos em volta de um cogumelo, coluna ou ponte de gelo de má qualidade ou de má formação, possivelmente o rapel vem abaixo com uma carga mínima. É necessário saber avaliar o estado do gelo assim como conhecer o material a empregar.

Por outro lado é muito importante que quando descemos, nunca o façamos de forma brusca, para não sobrecarregar ou debilitar a instalação do rapel. Esta precaução teremos de a ter em conta sempre que realizarmos uma descida de rapel tanto em gelo como em rocha. O conjunto formado pela instalação do rapel, a corda, o mecanismo de descida empregue e o escalador estão profundamente ligados entre si e de todos eles depende a segurança da descida, assim como a resistência das fixações. Daí a necessidade de insistir em que a descida deve ser controlada, suave, homogênea e segura.

As fixações de rapel em gelo mais comuns são os seguintes:

  1.  Cogumelos de gelo (Ferradura)
  2.  Colunas de gelo
  3.  Pontes de gelo ou abalakov
  4.  Parafusos de gelo
  5.  Parafusos recuperáveis 

FerraduraCOGUMELOS DE GELO (FERRADURA) – Os cogumelos de gelo resultam ser uma fixação sólida e resistente na hora de rapelar. O único inconveniente é o tempo que se perde na sua execução. No entanto, com prática poderemos realizá-lo rápido e bem. As passos a seguir são os seguintes: Iremos escolher uma zona de preferência um pouco inclinada, perto da borda da falésia de modo a evitar problemas na hora de recuperar a corda, no entanto se as condições do gelo não são favoráveis poderemos executá-lo noutro local. Uma vez escolhida a zona de execução e ajudados por um piolet, iremos marcar o local onde iremos construir o cogumelo de gelo. Realizaremos um sulco de configuração ovalada de uns 40 cm de comprimento e outros tantos de largura (mais ou menos) e uns 15 cm de profundidade. A parte superior do cogumelo de gelo coincidirá com a parte mais largo da oval. Esta terá e ser resistente, pois é onde a corda irá exercer maior pressão. A parte inferior não terá de ter necessariamente a mesma profundidade, simplesmente terá de manter estável e numa posição segura a cinta ou corda a utilizar. A parte superior tentaremos escavá-la de baixo para cima para evitar quebrar o lábio de gelo do cogumelo, de modo a que a cinta ou corda colocada, permaneça firme e estável. Uma vez finalizada colocaremos a cinta da reunião dentro do sulco realizado, podendo assim rapelar sem problemas. Em certas ocasiões poderemos colocar a corda diretamente dentro do sulco, no entanto deveremos comprovar que esta se pode recuperar sem problemas, antes de começar a descer. Se o gelo é de boa qualidade, construiremos o cogumelo seguindo as dimensões standard vistas anteriormente, se por contrário o gelo é de má qualidade, deveremos utilizar dimensões superiores a fim de ganhar suporte e resistência. Não podemos esquecer que os gelos duros serão mais difíceis de picar, com a conseguinte perca de energia e tempo.  

Coluna de geloCOLUNAS DE GELO – As colunas de gelo podem ser uma rápida opção, no momento de escolher o rapel. Nunca esquecer a importância de comprovar a resistência e estabilidade da colunas antes de nos pendurarmos nela. Como regra colocaremos sempre a cinta ou cordim na base da coluna e nunca a metade dela. Também poderá ser possível passar a corda diretamente em volta da coluna , se bem que a opção da cinta funciona um pouco melhor.

AbalakovPONTES DE GELO (ABALAKOV) – Estes engenhosos sistemas de rapel resultam ser uma boa opção  na hora de rapelar. Se as condições de gelo forem ótimas, as pontes de gelo são bastantes recomendadas para rapelar, a sua resistência é enorme e o tempo utilizado na sua realização é bastante aceitável. O material necessário para a sua realização é o seguinte: Um par de parafusos de gelo grossos, um cordim de diâmetro não inferior a 7 ou 8 mm e um arame ou gancho saca nuts. O processo de execução é o seguinte: Primeiro fazemos um buraco no gelo, ajudados por um parafuso de gelo, mantendo um ângulo de +- 60 graus, em relação à superfície de gelo. A seguir introduziremos outro parafuso de gelo, seguindo o mesmo processo, mas agora de ângulo inverso, até o ligar-mos ao outro. O ângulo ideal que devem formar os dois parafusos de gelo é de 90 graus. Este processo poderá ser realizado com a utilização de apenas um parafuso. Uma vez retirados os parafusos de gelo e comprovado de os buracos se ligaram, introduziremos o cordim (este deve ser de um diâmetro de 7 ou 8 mm, visto que diâmetros maiores podem dificultar a sua introdução nos buracos), ajudados pelo arame ou pelo gancho saca nut. A partir de agora só nos falta dar o nó no cordim e passar a corda nele.   

Parafusos de geloPARAFUSOS DE GELO – Muitas vezes teremos de montar a nossa reunião em dois parafusos de gelo. Pode ser por falta de qualidade do gelo, por uma grande carga a submeter à reunião ou por falta de tempo para a execução de uma ponte de gelo. Esta opção poderá ficar um pouco cara para o nosso bolso, mas se a nossa vida depende disso não hesitaremos em fazê-la.  Colocaremos um par de parafusos de gelo separados entre si por uma distância mínima de 80 cm e colocados preferentemente em ângulo, evitando uma possível linha horizontal.

Uniremos ambos por uma cinta ou cordim fiáveis (normalmente cintas planas de 3 cm e cordas de 8 ou 9 mm, tudo depende do fabricante). Esta cinta ou cordim, podemos passá-la diretamente pelos olhais dos parafusos de gelo, sem necessidade de abandonar mosquetões. Tudo dependerá da qualidade do parafuso. Seguidamente teremos apenas de triângular o sistema a fim de exercer uma boa e distribuição de forças sobre as fixações instaladas.

PARAFUSO DE GELO RECUPERÁVEL – Rapelar de um só ponto de segurança é algo que contraria tudo o que foi dito anteriormente. Utilizar dois pontos de segurança ( nuts, parafusos de gelo, parabolts, entaladores, etc. ), há-de ser sempre a forma mais correta de montar uma reunião. No entanto, em determinadas  situações poderemos romper a regra e utilizar apenas um parafuso de gelo. Pode-se dar a situação de dispormos apenas de um parafuso de gelo. E o que fazer diante de uma situação destas ??… Pois bem existe a possibilidade de rapelar num só parafuso de gelo e recuperá-lo uma vez alcançada a reunião inferior. Mas… como fazê-lo ??… Vamos ver então detalhadamente os passos a seguir : Primeiramente enroscamos um parafuso de gelo grosso, tiramo-lo, extraímos o gelo do seu interior e voltaremos a enroscá-lo. O parafuso deverá ser colocado ligeiramente ângulado em relação à superfície e sem estar enroscado até ao fim. Em seguida passamos a corda de rapelar por cima do parafuso ( outra opção é passá-la através de uma cinta ou cordim estrangulada/o no parafuso, por ex: com nó de alondra ). O seguinte passo consiste em enrolar uma cinta plana num parafuso de gelo, seguindo o sentido oposto ao utilizado durante o enroscar do mesmo. Esta cinta deverá estar perfeitamente enrolada  e atada. Num extremo atada ao olhal do parafuso e no outro num nó realizado na corda. Uma vez finalizado o rapel, deveremos simplesmente recuperar a ponta corda no qual se atou a cinta plana e à medida que a vamos recuperando e cinta desenrola-se, obrigando o parafuso a desenroscar-se também. No final do processo o parafuso cairá com o resto da corda. Teremos de ter em atenção que a cinta utilizada tem comprimento suficiente para desenroscar o parafuso até ao fim

CUIDADO :  Se é certo que tal sistema de rapel em algum momento nos pode tirar de uma situação complicada, também é certo que à mínima falha, nos pode levar à desgraça. Conhecer o estado e resistência do gelo assim  como a técnica a utilizar na hora de montar o sistema, têm aqui um papel importantíssimo. É necessário que o pratiquemos habitualmente, a fim de nos familiarizarmos com todo o funcionamento. Por outro lado teremos de prestar toda a atenção durante a descida, nunca a realizaremos dando saltos ou de maneira brusca, não nos esqueçamos que estamos pendurados num só parafuso de gelo. Nas mãos do escalador está condicionado o bom uso deste curioso sistema de rapel, reservado para situações de emergência.

 CONCLUSÕES : As opções estão servidas, agora só nos falta praticar muito para não termos dúvidas na hora de utilizar tais sistemas, para que possamos rapelar em segurança. Que opção escolher? Pois bem, tudo dependerá da situação do momento e das condicionantes que vimos no princípio deste artigo ( material, terreno, experiência, etc. ). Apesar de tudo uma coisa é certa: avaliar a qualidade do gelo, não é uma coisa que se aprenda da noite para o dia. Requer tempo e muita prática. Será necessário que escalemos em todo o tipo de gelo e condições para que possamos avaliar cada situação de uma forma rápida, objectiva e segura. O gelo pode mudar muito, dependendo das temperaturas, inclusivamente durante a mesma escalada. A chuva, a neblina, o sol e o vento, influenciam na sua qualidade. Em caso de qualquer dúvida não hesitaremos em mudar todo o sistema de rapel para um mais seguro ou reforçar o atual. Por outro lado é bom realçar que não existe lugar para nos sentirmos ridículos na hora de abandonar material. Se a situação o requer, teremos de pensar com a cabeça e não com o bolso.

Precaução é a palavra a utilizar.

Boa sorte e boas escaladas.

A Escalada Solo do Vulcão Osorno

Quando o rastro no solo coberto por pedras vulcânicas e poeira encontrou o glaciar, passei a seguir marcas de passos na neve. Não eram bem pegadas, pois deviam ser do grupo que subiu no dia anterior, ou mesmo da dupla que eu via quase no cume, e a essa altura o sol já derretia estes rastros na neve. Eram onze horas de uma manhã bem ensolarada, com céu azul. Eu me guiava por uma ondulação que seguia um padrão diferente das infinitas rugosidades naquele mar branco.

Me concentrava totalmente em não sair deste caminho, uma vez que eu estava sozinho e o perigo de cair dentro de uma greta, sem que um companheiro atado a mim por uma corda, pudesse deter minha queda.
As marcas pareciam seguir a rota mostrada nas fotos que estudei, mas em pouco tempo estava eu na borda de uma greta larga e comprida.

Continue lendo A Escalada Solo do Vulcão Osorno